A IMPORTÂNCIA DA EXPRESSÃO ARTÍSTICA É O TEMA DO NOVO VÍDEO DO “1º FESTIVAL DE ARTE E CULTURA DE TATUÍ”

Projeto "Preleção sobre a Importância da Expressão Artística" é de Diego Dedablio.

Nesta sexta-feira (15/10), será lançado o Projeto “Preleção sobre a Importância da Expressão Artística”, de Diego Dedablio – parte integrante do “1º Festival de Arte e Cultura de Tatuí”, da Prefeitura de Tatuí. Divididos em duas partes, os vídeos estarão disponíveis no canal do Museu no Youtube (https://bit.ly/3C9eKnw), às 9h e às 15h, respectivamente. 

O Projeto, busca esclarecer a utilidade da linguagem artística no cotidiano das pessoas, além de comparar a arte clássica e o contemporânea, incluindo a forma poética em fragmentos e menções, por meio de nomes importantes do pensamento artístico, como Goethe e Matisse, por exemplo. 

Diego Dedablio, em sua “Preleção sobre a Importância da Expressão Artística”, quer concretizar a definição da abordagem filosófica da arte, em seu utilitarismo pragmático, como ferramenta de conhecimento em forma diálogo aberto, promovendo a reflexão e o senso de análise. 

O Projeto foi um dos habilitados no Edital de Cultura 01/2021, do “1º Festival de Arte e Cultura de Tatuí”, da Prefeitura de Tatuí. 

Sobre o artista – Nasceu em Tatuí em 1987. Aos 11 anos de idade iniciou a produção de Histórias em Quadrinhos, escrevendo para jornais da região. Em 2000 deu início aos estudos em Arte Urbana – Graffiti e em Pintura. A partir de então, começou a atuar nas ruas com o intuito de fazer obras inteiramente públicas. Em 2005 realizou, no Conservatório de Tatuí, a Exposição “Sigilo”, primeira exposição de Arte Urbana na região. No ano de 2006, executou o projeto expositivo na Picida Yang Culture, em Tatuí, e assinou uma série de camisetas numeradas para a loja e para a marca. No ano seguinte, participou, com outros escritores de rua, da Exposição “Circuito Fechado”, na Associação dos Artistas Plásticos de Tatuí, que teve um recorde de público. 

Aprimorou seus conhecimentos em 2008, iniciando os estudos de Cenografia e Iluminação Cênica no Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos”, de Tatuí. No mesmo ano participou, em parceria com a cantora argentina Lila Ibarra, da apresentação “Mãe Terra, Madre Tierra”. Em Tatuí, participou com uma instalação no Projeto “Casa de Bamba” e foi agraciado com o 2º lugar no Mapa Cultural Paulista (Artes Plásticas), do Governo do Estado de São Paulo. Participou, com o setor de Artes Cênicas do Conservatório de Tatuí, do Projeto “Conexões” pela Cultura Inglesa. E, em parceria com Lila Ibarra, participou expondo nas apresentações da cantora no Teatro Galatea, Resistência e Chaco-Argentina. Executou um mural em honra à Nação Indígena Toba, em Resistência, Chaco-Argentina, e outro mural em honra à herança da cultura negra, no Bairro Cambaquan, em Corrientes, Argentina. No ano de 2008, venceu o Prêmio Revista Bravo! de Ilustração, ilustrando o conto “Um Homem Célebre”, de Machado de Assis. 

Em 2009, participou expondo no “8º Brasil Instrumental”, pela Cooperativa de Música em Tatuí; na exposição coletiva “Acúmulos”, na loja e galeria “Casa de Quem” em São Paulo; e ganhou a Bolsa de Estudos Vera Holtz, passando a residir em São Paulo. 

Em 2010, iniciou os estudos de Xilogravura, Gravura em Metal e Litogravura, no Museu Lasar Segall, em São Paulo. Realizou a instalação “Interno & Externo”, a convite da Cultura Inglesa, de Presidente Prudente, e, na mesma cidade, assinou as ilustrações para a campanha publicitária da Cultura Inglesa. Participou do “8° Encontro de Graffiti Art”, de Santana do Parnaíba, e realizou a exposição “O Timbre do Silêncio”, exposição solo, a convite da Prefeitura de Tatuí. Trabalhou como arte-educador no Instituto Verde Escola, na Praça Victor Civita, em São Paulo. 

No ano de 2011 participou do desfile do bloco “Filhos da Santa”, pintando painéis que desfilaram junto ao bloco no Bairro Santa Cecília, em São Paulo. Representou o Brasil, juntamente com grandes nomes do Graffiti Latino, no livro “Nuevo Mundo – Latin American Street Art”, de Maxiliano Ruiz (pesquisador de Street Art), com fotografias e texto, editora Gestalten – Berlim, Alemanha. Participou da exposição “Saudade do Futuro”, na 99ª Semana Euclidiana, em São José do Rio Pardo. Executou a performance de Live-Painting na Maratona de Cinema do Sesc Sorocaba. Realizou a exposição solo no “Rasgada Coletiva”, em Sorocaba, com obra de cunho gráfico (xilo, lito, recorte, gravura em metal e impressos). Executou performance no Fórum de Dança Contemporânea em Votorantim, pelo Sesc Sorocaba. 

Em 2012 executou um mural para o projeto “R.U.A. Reflexo on Urban Art”, em Amsterdam, na Holanda. Ministrou um workshop sobre a filosofia do Graffiti com crianças e adolescentes no Lloyd Hotel – Culture Embassy, em parceria com o projeto “R.U.A. Reflexo on Urban Art”. Participou de um debate sobre Intervenção Urbana no Rasgada Coletiva, em Sorocaba. 

No ano seguinte, 2013, expos no “Festival Livre”, da USP (Universidade de São Paulo). Em 2014 executou e apresentou a exposição solo “Infinita Finitude”, na Galeria Residência, em Bauru, e participou da exposição coletiva “Com Pos To”, na Verve Galeria, em São Paulo. Depois, em 2017, participou do “Vulica Festival”, realizando um mural público em Minsk, Bielorrússia, a convite da Embaixada Brasileira. 

Já em 2018, no Museu Histórico “Paulo Setúbal”, o artista realizou uma exposição individual, com mais de 33 obras, incluindo pinturas, gravuras, colagens, desenhos em diversas técnicas, como spray, óleos, acrílicos colagem, objet trouve, assemblage, instalação, entre outros, que datam de 2012 a 2019. 

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Veja também:

Skip to content