MUSEU “PAULO SETÚBAL” PROMOVERÁ, NESTA SEXTA-FEIRA, UMA LIVE ESPECIAL EM COMEMORAÇÃO AO CENTENÁRIO DE SEU EDIFÍCIO

Como parte integrante da “78ª Semana Paulo Setúbal”, nesta sexta-feira (07/08), às 20h, o Museu Histórico “Paulo Setúbal”, da Prefeitura de Tatuí, promoverá uma live especial em comemoração ao centenário de seu edifício sede (1920-2020). O local já sediou a cadeia e o Fórum de Tatuí e, atualmente, abriga o mais rico acervo histórico da cidade. 

O Trio Bravo Electro fará uma apresentação, com Eduardo Augusto, no violino, Rogers Bertinotti, também no violino, e Tiago Almeida, no violoncelo. 

            A live será transmitida no canal do Museu no YouTube e na página da Secretaria de Esporte, Cultura, Turismo, Lazer e Juventude no Facebook . 

Sobre o edifício da Praça do Museu – O prédio foi construído em um terreno no largo, chamado “Santos Dumond”, situado em Nossa Senhora da Conceição de Tathuy, limitado pelas ruas: Visconde do Rio Branco (atualmente rua 7 de Maio), medindo, de frente, 68 metros e 70 centímetros; 7 de Setembro (Rua Coronel Aureliano de Camargo), medindo 67 metros e 20 centímetros; do Socego (Coronel Bento Pires), medindo 68 metros e 70 centímetros; e José Bonifácio, medindo 67 metros e 20 centímetros. Assim, era denominada a Praça Manoel Guedes, popularmente conhecida como a “Praça do Museu”.  

            Segundo dados do Cartório de Registro de Imóveis, Títulos e Documentos e Civil das Pessoas Jurídicas da Comarca de Tatuí, no livro de transcrição das Transmissões 3-D (velho), na folha 73, o registro nº 2.723, feito em 12 de dezembro de 1913, consta que a Fazenda do Estado de São Paulo adquiriu o terreno, através de doação da Câmara Municipal de Tatuhy, conforme escritura pública de 3 de dezembro de 1913, lavrada nas notas do 6º Tabelionato de São Paulo, Thiago Mazagão, pelo valor de 300$000. O documento apresenta as Condições de Contrato: a doação é feita sob a condição da adquirente construir no terreno doado o edifício que servirá de Cadeia, Fórum, Câmara Municipal e suas dependências nesta cidade. 

            Neste local, em 1920, foi construído um prédio, na então Praça “Antônio Prado”, que passou, posteriormente, a ser a Praça “Manoel Guedes”. Esse edifício seria a Cadeia e o Fórum. Segundo o registro “Tatuhy através da História”, o prédio tem “construção recente, sob o governo do senhor Dr. Altino Arantes, sendo secretário da Agricultura o senhor Doutor Cândido Motta, que a mandou fazer. Planta elegante, em sobrado, prisões bem arejadas e amplas, vasta sala de júri e audiências e gabinetes diversos. Ocupa lugar no centro da praça, Cândido Motta, ostentando, no seu salão principal, o retrato a óleo deste ex-secretário e o do Dr. João Feliciano da Costa Ferreira, primeiro juiz desta comarca”. 

            Em 28 janeiro de 1969, o Decreto nº 51.328 transfere para a Secretaria da Cultura, Esportes e Turismo o prédio do Fórum e Delegacia de Polícia, bem como o terreno o qual se situa o imóvel, toda a Praça Manoel Guedes, com 64 metros para a rua 7 de maio, 64 metros para a rua Coronel Aureliano de Camargo, 64 metros para a rua Coronel Bento Pires e 64 metros para a rua José Bonifácio, sendo o referido imóvel para a instalação da “Casa de Paulo Setúbal” (Museu Histórico de Tatuí). O diretor da “Casa de Paulo Setúbal” era Nilzo Vanni. 

            Segundo o Jornal “O Estado de São Paulo”, de terça-feira, 12 de agosto de 1975, na matéria Tatuí Inaugura Museu e a Casa de Paulo Setúbal”, “A ‘Casa de Paulo Setúbal’ e o Museu Histórico de Tatuí, agora instalados no antigo prédio da Cadeia e Fórum, foram inaugurados dentro das comemorações da Semana de Paulo Setúbal e do Aniversário de Tatuí”. 

            Em 1984, o Acervo do Museu tinha, em média, 1.500 peças, distribuídas nas salas: Sala de Paulo Setúbal, Sala da História de Tatuí, Sala de Objetos Sacros, Sala de Taxidermia, Sala dos Pracinhas da FEB e três salas de leitura. Além destas, existiam outras salas: Biblioteca Raul de Pollilo, doada pela família em 1981, sendo que faz parte, entre outras raridades, um busto em bronze de Eça de Queiroz, a enciclopédia Britânica em Inglês, o webster e algumas coleções importantes, como “Gênios da Pintura”; e Sala de Livros mais atuais, inaugurada durante os festejos da Semana de 1978, procurada principalmente por estudantes de Direito e advogados, pois possui uma valiosa coleção de obras jurídicas, o que não ocorre em nenhuma biblioteca pública da cidade. 

No ano de 1986, o edifício integra a estrutura da Secretaria de Cultura, Esporte e Turismo do Estado de São Paulo. Segundo o livro “Tatuí/Capital da Música”, de Renato Ferreira de Camargo e Christian Pereira de Camargo, a “Casa de Paulo Setúbal” e Museu Histórico de Tatuí foram administrados, por alguns anos, pelo Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos”. 

Em agosto de 2008, a “Casa de Cultura” passa a ser administrada por uma Organização Social – novo modelo de gestão instituída pela Lei 846/98, do governador Mário Covas -, a Associação Cultural de Amigos do Museu Cândido Portinari. 

No dia 23 de dezembro de 2008, abriu a Ordem de Início dos Serviços na Casa de Cultura Paulo Setúbal, para o contrato no valor de R$ 795 mil, que realizou intervenções necessárias à modernização e à readequação dos espaços, com instalação de elevador e medidas de acessibilidade. Com a reforma, o prédio ganhou medidas sustentáveis, como iluminação de baixo consumo energético. 

Em maio de 2010, a Câmara Municipal aprovou um Projeto de Lei, criando em Tatuí o Museu “Casa de Cultura Paulo Setúbal”, o que em 30 de abril de 2010, a Lei Municipal nº 4.345 dispõe sobre a criação deste espaço, na gestão do então prefeito Luiz Gonzaga Vieira de Camargo. Em 20 de setembro do mesmo ano, é reinaugurada a “Casa de Cultura Paulo Setúbal” e o Museu de Tatuí, agora batizado como Museu Histórico “Paulo Setúbal”. 

A expografia do Museu conta a formação da cidade, movimentos populacionais, primeiros habitantes, colonizadores e os conflitos gerados por eles, além de registrar a presença dos tropeiros na região e a história cultural e musical que levaram Tatuí ao título de “Capital da Música”. Há uma sala dedicada exclusivamente à vida e à obra do escritor e jornalista, imortalizado pela Academia Brasileira de Letras, Paulo Setúbal, o patrono do Museu Histórico; há o gabinete de leitura “Nilzo Vanni” e um auditório. O acervo também conta sobre as participações de tatuianos em conflitos armados na Segunda Guerra Mundial e na Revolução de 1932, além de outras curiosidades. 

Em 2020, devido a pandemia da COVID-19, o Museu Histórico “Paulo Setúbal” criou o Projeto #MuseuPauloSetúbalEmSuaCasa, disponibilizando os projetos do educativo por meio de vídeos produzidos por artistas e personalidades da cidade, ou apresentando o acervo do Museu. Dentre os projetos apresentados, destacam-se: #EscritaFalada, no mês de maio, para valorizar o Dia Municipal da Literatura Tatuiana; #VisãodoArtistaPlástico, que homenageou alguns nomes das artes plásticas do município; e #TatuídaFestadeBemfica. O canal do Museu no YouTube tem permitido o acesso de seus usuários, que não podem visitar o equipamento cultural devido à suspensão das atividades presenciais. O “18º Prêmio Literário Paulo Setúbal – Contos, Crônicas e Poesias” faz, neste ano, alusão ao centenário do edifício sede do Museu. 

Para as comemorações desta tão importante data, o diretor e publicitário do Departamento de Comunicação da Prefeitura de Tatuí, Leandro Alexandre Mendes, criou uma logomarca que foca no desenho do edifício – construído para ser sede da Cadeia e do Fórum da cidade -, e destaca o ano de sua criação, bem como o Jubileu do Centenário da sede do Museu Histórico “Paulo Setúbal”.