MÚSICA NA PRAÇA TERÁ GRUPO DE PERCUSSÃO DO CONSERVATÓRIO NESTE SÁBADO

Neste sábado, dia 13 de maio, às 11h, na Praça da Matriz, mais uma parceria entre a Secretaria de Esporte, Cultura, Turismo, Lazer e Juventude, da Prefeitura de Tatuí, e o Conservatório: a apresentação do Grupo de Percussão do Conservatório de Tatuí, sob a coordenação de Luís Marcos Caldana, no projeto Música na Praça.

O Grupo de Percussão é composto por Agnaldo Silva e Luís Marcos Caldana e terá como músicos convidados Bianca Pavanello, Carlos Estefanero, Giovanni Ricioli, Jeferson Oliveira, Maura Jansson, Nicolas Botelho, Renan Dias, Rodolfo D'Avila, Rogério Cipriano e Roger Brandino. No repertório, o grupo executará as músicas: “As Baquetas”, de Edgar Rocca (Bituca); “Bachianas Brasileiras nº 4 – Prelúdio”, de H. Villa Lobos; “Festrio”, de álvaro P. De Leon Ruiz; “Pandeirando”, de Douglas Gutjahar; “Diálogo de Peles”, de Mark Ford; “Led Zeppelin Medley”, com arranjo de Jeff Moore; “Cenas Brasileiras – I Baião – II Frevo”, de Ney Rosauro; “Festa Latina”, de Lalo Davila; e “Carioquinha – Brasileirinho”, de Waldyr Azevedo.

O Música na Praça teve a temporada aberta em abril e, desde então, vem sendo um grande sucesso de público. Com repertório variado que vai do erudito ao popular, o projeto é realizado em parceria com os grandes nomes da música de Tatuí, fato que está auxiliando no engrandecimento da cultura musical da Capital da Música.

Grupo de Percussão – Em atividade por mais de quatro décadas ininterruptas, é o mais antigo grupo do gênero no país, abrindo caminho a outros semelhantes em solo nacional. Criado em 1975, com o objetivo de oferecer aos estudantes dos níveis básico, intermediário e avançado da escola de música a oportunidade de executar peças específicas para grupos de percussão.

Ao longo de sua história, já contou com mais de 200 percussionistas-integrantes. Além de executar clássicos erudito e popular, o grupo estimula a composição de novas obras, incentiva a formação de público para os mais variados estilos e populariza a percussão agregando características performáticas e de dança. Sua atuação diferenciada consolida-o no cenário nacional e faz dele o pioneiro nesse segmento.

Em 2006, lançou o primeiro CD intitulado “30 Anos de História”, enfatizando os ritmos brasileiros, com objetivo de agradar aos mais diferentes gostos, registrando não somente os grandes clássicos ou as festejadas obras contemporâneas.

Luis Marcos Caldana – Formado em tímpanos, percussão e acessórios pelo Conservatório de Tatuí e em Educação Artística pela Faculdade Asseta, Luís Marcos Caldana frequentou aulas com alguns dos principais percussionistas do país, entre eles Javier Calvino, John Boudler, Elisabeth Del Grande, Luis Almeida D’Anunciação, Carlos Tarcha e Eduardo Gianesella.

Atuou como solista na ópera Infantil “A Peste e a Intrigante”, de Mário Ficarelli (em 1986) e, em parceria com o saxofonista Erik Heimann – formando o “Duo áries” – onde conquistaram o primeiro prêmio do I Concurso Nacional de Música de Câmara “Henrique Niremberg”, no Rio de Janeiro.

Como professor de percussão, trabalhou na área de banda em oito diferentes edições do Festival de Inverno de Campos do Jordão, bem como no projeto Pró Bandas (1997 a 2007). Por dois anos, representou o Conservatório de Tatuí na Midwest Clinic (Conferência Internacional para Bandas e Orquestras), em Chicago, nos Estados Unidos. Também ministrou palestras sobre ritmos brasileiros e dirigiu um Grupo de Percussão em Budapeste, na Hungria. O mesmo trabalho foi desenvolvido no Encontro Internacional de Percussão em Monterrey, no México.

Ainda como professor, imprimiu sua marca na Conferência de Educadores Musicais do Estado do Kentucky (Estados Unidos), onde executou a primeira audição mundial da obra de Hudson Nogueira – “Cinco Variações Para Um Percussionista Solo e Banda” -, dedicada a ele. Detectando a necessidade de unir percussionistas de todo o país, criou e organizou por quatro edições o Encontro Internacional de Percussão, mantido pelo Conservatório de Tatuí.

Recentemente, participou de turnê pela Costa Rica com a Camerata Tatuí, ministrando aulas de percussão e abordando ritmos brasileiros. Em junho de 2009 ministrou palestra de percussão sinfônica em Boa Vista (Roraima) dentro do Painel Funarte de Bandas. No mesmo ano, ministrou curso de percussão clássica e popular em Ilha Solteira. Atualmente, além de coordenar o Grupo de Percussão, é professor e coordenador da área de percussão, timpanista da Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí e professor na Escola Livre de Música, em Itapetininga.