ESPETÁCULO SOBRE CHIQUINHA RODRIGUES ESTÁ DISPONÍVEL NO CANAL DO MUSEU HISTÓRICO “PAULO SETÚBAL” NO YOUTUBE

O Museu Histórico “Paulo Setúbal”, da Prefeitura de Tatuí, em parceria com o Núcleo Experimental Cênico “Falsa Modéstia”, disponibilizou nesta sexta-feira (03/07), em seu canal no YouTube, o espetáculo “Chiquinha Rodrigues – ReVerso – A Emérita Professora”, como parte do Projeto #MuseuPauloSetúbalEmSuaCasa.

Este espetáculo teve sua estreia em 4 de maio de 2012, marcando as comemorações do Dia Municipal da Literatura Tatuiana. Ele foi produzido por Donny Barros, Fernanda Xavier, Leonardo Carvalho e Pedro Couto, com coordenação de produção de Rogério Vianna e execução do Núcleo Experimental Cênico “Falsa Modéstia”.

Parte do acervo do Museu, o vídeo foi gravado de forma caseira e registra um pouco da trajetória de vida de Chiquinha Rodrigues, filha do professor Adauto Pereira, que encontrou na figura do pai o exemplo para escrever sua história na alfabetização. Ela foi casada com Adolfo Rodrigues e mãe de cinco filhos. Criou a Bandeira Paulista de Alfabetização e fundou a Sociedade Luiz Pereira Barreto. Além de professora emérita, Chiquinha Rodrigues foi deputada estadual por duas vezes e prefeita de Tatuí. Faleceu em São Paulo em 1966.

O espetáculo “Chiquinha Rodrigues – ReVerso – A Emérita Professora” foi inspirado em dois livros de Chiquinha: “Confidências de Suzana” e “Pelo Caboclo do Brasil”. No elenco estão: Alba Mariela, Beatriz Xavier de Carvalho, Dado Barros, Fernanda Xavier, Pedro Couto e Rogério Vianna. O conteúdo pode ser visto no canal do YouTube do Museu Histórico “Paulo Setúbal”.

Sobre Chiquinha Rodrigues – Francisca Pereira Rodrigues, filha do professor Adauto Pereira e de Maria de Barros Pereira, nasceu em Tatuí no dia 04/05/1896. Foi uma das fundadoras, em 1933, da Bandeira Paulista de Alfabetização. Em 1935 fundou a Sociedade Luiz Pereira Barreto e, em 1936, elegeu-se para a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. 

Foi por 15 meses prefeita de Tatuí (agosto de 1945 a dezembro de 1946). Criou o Jardim da Infância, um grupo escolar, construiu o refeitório na Escola Normal, ampliou o cemitério, abriu novas ruas e uma avenida. Deixou em fase de acabamento o matadouro, o mercado municipal e a estação rodoviária.

Conferencista, historiadora e ensaísta, escreveu, como educadora, diversos livros didáticos. Recebeu várias condecorações e o título de Educadora Emérita na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.

Na literatura, destacam-se suas seguintes publicações: “Tendências Urbanistas de Nossa Civilização” (1936); “Primeiro Congresso Brasileiro do Eufano Rural”, (1937); “Pelo Caboclo do Brasil” (1937); “O Braço Estrangeiro” (1938); “Grandes Brasileiros – Biografias” (1939); “Confidências de Suzana” (1939); “Primeiro Livro da Bandeira” (1940); “Antevisão de Jesuíta” (1940); “História e Brincadeiras”, Literatura Infantil (1946); “Trajetória Luminosa – Educação Religiosa” (1947); “Segundo Livro da Bandeira – Vamos Conhecer as Riquezas do Brasil” (1947); “Meninas de Ouro”, Literatura Infantil (1947); “Dança das Flores”, Literatura Infantil (1947); “Primavera em Meu Quarto”, Literatura Infantil (1947); “Horas Alegres”, Literatura Infantil (1947); “Seu Pafúncio Corre Mundo”, Literatura Infantil (1947); “São Paulo Dentro do Brasil” (1954); entre outras.

No dia 9 de outubro de 1966, domingo, às 23h, a emérita professora Francisca Pereira Rodrigues (Chiquinha Rodrigues), faleceu aos 70 anos de idade.