PREFEITURA E COOP REALIZAM A “MOSTRA MUNICIPAL DE PROJETOS EDUCACIONAIS COOPERATIVOS DO ‘COOPERJOVEM’ EM TATUÍ”

A COOP – Cooperativa de Consumo, em parceria com a Prefeitura de Tatuí, por meio da Secretaria de Educação, promoveu, nesta quinta-feira (07/11), a “Mostra Municipal de Projetos Educacionais Cooperativos do Programa ‘Cooperjovem’ em Tatuí”. O evento foi realizado na Coop da Rua Coronel Lúcio Seabra, com o objetivo de apresentar ao público os trabalhos desenvolvidos pelas 15 escolas participantes do Programa e proporcionar a troca de experiências e ideias.

O Programa “Cooperjovem” acontece em Tatuí por meio de uma parceria entre a COOP, a Secretaria Municipal de Educação e o Sescoop/SP, e conta com a participação de 6.711 alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino.

A ideia da Mostra é evidenciar as boas práticas e os impactos positivos que os Projetos Educacionais Cooperativos (PEC’s) do programa proporcionaram em suas comunidades escolares. O gerente geral da Coop em Tatuí, Rodrigo Corrêa, classificou como um “orgulho” a realização da Mostra no município, e destacou os princípios adotados na organização do evento. “Para nós é um orgulho recebermos essa Mostra. Estamos praticando o quinto e o sétimo princípio cooperativista, adotados pelo mundo todo, que se referem à formação de educandos e o interesse pela comunidade, respectivamente”, afirmou. Rodrigo também comentou que o “Cooperjovem” existe há três anos em Tatuí, e a parceria com a Prefeitura é de suma importância para que o Programa continue sendo realizado.

Os PEC’s são enquadrados nos seguintes eixos temáticos: Valores da cooperação e relações interpessoais; Resgate e valorização da cultura local; Saberes e práticas pedagógicas; e Responsabilidade socioambiental.

Cinco escolas participaram do eixo “Valores da cooperação e relações interpessoais”, todas com um PEC diferente. São elas: EMEF “Eunice Pereira de Camargo” (Integração e participação familiar); EMEF “Prof. Alan Alves de Araújo” (Convivência escolar: ensaio para a convivência em sociedade); EMEF “Prof.ª Maria Helena Machado” (Democracia que une); EMEF “Prof. José Tomas Borges” (Ambiente colaborativo na escola); e EMEF “Prof.ª Teresinha Vieira de Camargo Barros” (Jogos cooperativos e gibiteca para todos).

Já a EMEF “Prof.ª Maria Eli da Silva Camargo” participou do eixo “Resgate e valorização da cultura local”, com o PEC “Abrace sua escola: preservação do patrimônio público”.

Outras sete escolas possuíram PEC’s no eixo “Saberes e práticas pedagógicas”. São elas: CEPEM “Eunice de Almeida Rocha” (Na trilha da leitura: integração da família no contexto escolar); EMEF “Prof. Firmo Antônio de Camargo Del Fiol” (Leitura na escola: uma proposta de ensino e aprendizagem); EMEF “Prof.ª Sarah de Campos Vieira dos Santos” (Minha escola também lê); EMEF “João Florêncio” (Biblioteca criativa); EMEF “Prof.ª Maria Conceição Oliveira Marcondes” (Ler e escrever para o exercício da cidadania); e EMEF “Magaly Azambuja” (A leitura como porta de entrada para o mundo).

E mais três escolas participaram do eixo “Responsabilidade socioambiental”: EMEF “Prof.ª Lígia Vieira Camargo Del Fiol” (Lixo que transforma); EMEF “Prof. José Galvão Sobrinho” (Óleo de cozinha nosso!); e EMEF “Eugênio Santos” (Horta sensorial).

O secretário municipal de Educação, Miguel Lopes Cardoso Júnior, ressaltou a importância da participação dos pais no projeto, acompanhando de perto os alunos e incentivando-os a realizar um trabalho conjunto. “Nós percebemos um grande envolvimento das famílias com esse projeto, e é exatamente isso que esperávamos, que os familiares participem do dia a dia das crianças na escola. Isso proporciona proteção para os nossos alunos e temos pedido esse apoio durante as reuniões de pais nas escolas”, explicou.

Paulo Henrique de Souza Reis, instrutor do Programa “Cooperjovem” em Tatuí, falou sobre a importância da participação das famílias no desenvolvimento do Programa para o fortalecimento da educação nas escolas. “Quando falamos em educação pública, muitas pessoas imaginam lugares fragilizados, com poucos recursos, mas com esse projeto nós comprovamos que as escolas públicas têm muitas coisas boas. O ‘Cooperjovem’ visa envolver a todos, facilitando e favorecendo a voz dos alunos e das famílias, trazendo as pessoas, de fato, para dentro da escola, para que haja uma construção conjunta, o que proporciona uma transformação social incrível, por meio de um processo educacional que fortalece as escolas”, concluiu.

Sobre o programa – O “Cooperjovem” é um programa da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), desenvolvido em âmbito nacional pelo Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) desde 2000. Em 2001, o programa foi implantado pelo Sescoop/SP, que assumiu sua coordenação em âmbito estadual em parceria com as Cooperativas e Secretarias Municipais de Educação.

A principal ação do programa consiste na formação dos professores por meio de um curso de 40 horas, com foco em conceitos e práticas de educação cooperativa, metodologia de criação de Projetos Educacionais Cooperativos (PEC) e criação de um PEC por escola participante.

Durante a formação no primeiro ano, os educadores são provocados a realizar uma pesquisa de contexto com a sua comunidade escolar para diagnosticarem quais as problemáticas, desafios e questões que podem ser enfrentadas. Nesse momento, eles descobrem a escola que têm hoje e qual escola poderão ter a partir do desenvolvimento do PEC. Ou seja, alunos, famílias, professores, gestão, funcionários e comunidade do entorno são envolvidos nesse processo onde todos têm voz, tanto na elaboração, quanto na execução dos projetos.

Nos dois anos seguintes, o PEC é desenvolvido na escola por meio das parcerias, com acompanhamento e apoio do Sescoop/SP, além da realização de ações pontuais que fortaleçam os projetos.